21 dezembro 2007

Natal é pra quem pode, uma crônica triste de natal

Todos que me conhecem um pouco [ de verdade ] sabem que pra mim natal é uma época triste. São coisas que acontecem e que você tem que aguentar seguindo adiante, independente do que acontece à sua volta.

Esse texto é só porque é difícil olhar pra trás e deixar pra lá. No dia específico não consegui abordar o assunto, mas precisava escrever sobre isso como forma, talvez, de exorcismo. Talvez pra dizer que ainda me lembro e que algumas coisas precisam e devem ser lembradas. Mesmo quando doem.

Esse texto é só porque é muito triste ver aquelas famílias felizes nos comerciais de celular e pensar que aquilo poderia estar acontecendo com você. Sabe? Ceia à meia-noite, amigo secreto, você tirou o vovô, o vovô tirou a tia chata, aquele seu tio bebe demais, todo mundo ri, chora, essas coisas.

Participei como convidado em alguns desses encontros, mas é muito estranho ver tudo de fora. É divertido ver, estar, querer fazer parte, mas a verdade te desmonta, porque você sabe que não tem lugar fixo ali.

Deve ser bom. Bem, feliz natal pra eles então.

Sei que parece exagero, mas só entende quem já passou por isso. Algumas pessoas pensam que entendem, mas não é verdade. É como sexo, não adiante te contarem, você só vai saber como é quando passar por isso. Fatos da vida. É uma merda, eu sei.

Acho que chega de auto piedade por hoje. Escrevi, apenas porque precisava, assim como acontece com tudo que escrevo.


2 comentários:

  1. Nessa noite eu coloco minha roupa vermelha feita com tecido de forro de casaco, minha peruca e barba de nylon (que pinica pra cacete), meu saco cheio de brinquedo de 1,99, mais meia dúzia de ajudantes (semi-embriagados) e saimos pra fazer a festa dos pirralhos que tb só veem a alegria do natal no comercial da TV (...) e o mundo continua girando. (talvez por causa da Smirnof)

    Um abração Cara

    ResponderExcluir
  2. Natal pra mim já foi bom.Ou nunca foi,não sei.Mas é uma data muito triste.É apenas uma noite qualquer com um toque a mais de tristeza.
    Abraço.

    ResponderExcluir