13 dezembro 2007

O Pequeno Teatro dos Horrores: A Formiguinha e a neve

"Oh Deus... Tu que és tão forte, que governa a morte, que mata o homem, que bate no cão, que persegue o gato, que come o rato, que rói o muro, que tapa o sol, que derrete a neve... desprende o meu pezinho"

João de barros

Acredito que na literatura este fora meu primeiro contato com a morte. Eu a vi de perto bem cedo, alguns anos depois. E às vezes acho que ainda hoje não consegui me recuperar daquela conversa.

Tive que aceitar seus argumentos em um momento em que não tinha maturidade suficiente para contra-argumentar.

Acho que tenho revivido esse diálogo constantemente em meus livros. Espero não ser julgado pelo que não sei, muito menos pelo que não fui capaz de absorver. Tenho tentado bastante, mas pelo menos levo a convicção de que tenho feito o que posso.

Sei que vou encontrá-la novamente um dia, espero que da próxima vez a conversa seja, ao menos, mais agradável.

Um comentário:

  1. Já encenei o teatro da "Formiguinha" muitas vezes! Faço para crianças e adultos desde que eu era criança.

    ResponderExcluir