19 janeiro 2010

Ebook Gratuito A Fábula: Cidade dos Desgraçados

Download:

- Espere a página carregar e procure o link: Download Now.







A Volta para casa pode ser um inferno



[afabula9.jpg]

“Esperamos pela luz mas contemplamos a escuridão.”
Isaías 59:9



Neste livro Hugo Maximo demonstra seu domínio sobre o romance de suspense, com fortes componentes visuais, o que nos faz refletir sobre as possibilidades de apresentação cinematográfica, que o transformaria num filme de terror.

A obra transpõe os limites da realidade e nos conduz totalmente a uma dimensão surreal onde se trava uma batalha entre o bem e o mal, entre a fragilidade humana e o poder das trevas.

A trama muito bem urdida mantém o sobressalto até o último capitulo e a leitura como que nos faz reféns ao lado dos personagens, solidarizando‑nos com eles e sentindo os horrores que enfrentam.

Classificando‑o como fábula, o autor nos incita a decodificação de um conteúdo polissêmico, portanto altamente metaforizado. A Cidade dos Desgraçados contém ingredientes insólitos e nos coloca frente a frente com nossos limites.

A trama traz à tona a questão do da acomodação e do servilismo diante do poder maior e do medo ao mesmo tempo em que demonstra a capacidade humana de superação do ceticismo e do medo. E é esta superação a única forma de salvação.

O suspense em que a trama mantém o leitor é digno dos mestres deste estilo.


Yedda de Castro Brascher Goulart
Escritora Mestre em Letras – UFSC


* Esta crítica saiu na época em que o livro foi publicado pela Editora Hemisfério Sul, no Jornal Balainho, Florianópolis, 2001.

Trecho do livro:

— A cidade não é mais a mesma — expelia a fumaça tragada enquanto falava, parava para tragar novamente e depois voltava a falar. — As trevas aumentam a cada dia. Já não sei em que ano estamos, tentei ir embora e por isso me bateram. Ninguém sai, e quem entra não vive muito tempo... nem sei dizer como conseguiu entrar na cidade... talvez eles quisessem você aqui.

— Eles quem? — perguntou Daniel, mas o velho não lhe deu ouvidos e continuou tragando e falando, olhando para o vazio como se assistisse a algum filme.

— Você não sente? Não vê que estamos no verão, mas no entanto faz frio? As trevas são frias... hipnotizam!

As pessoas de fora que vem para a cidade não percebem nada, agem como se não vissem o céu cada vez mais escuro... o sol cada vez mais fraco, e as pessoas daqui também. Só algumas percebem, mas não conseguem sair... são as trevas... as trevas roubam o calor da luz e o transformam em frio, como se o diabo tivesse aprendido a usar o poder de Deus contra ele mesmo.

Silêncio.

— De quem você está falando? Quem são eles?


Download:

- Espere a página carregar e procure o link: Download Now






Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Vedada a Criação de Obras Derivadas 2.5 Brasil. Para ver uma cópia desta licença, visite http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/2.5/br/ ou envie uma carta para Creative Commons, 171 Second Street, Suite 300, San Francisco, California 94105, USA.




Compre Fábula - Cidade dos Desgraçados:




Número de páginas: 188
Peso: 228 gramas
Edição: 2 (2009)
Acabamento da capa: Papel supremo 250g/m², 4x0, laminação fosca.
Acabamento do miolo: Papel offset 75g/m², 1x1, cadernos fresados e colados, A5 Preto e Branco.
Formato: Médio (140x210mm), brochura com orelhas






Livre é diferente de grátis

O que leva um autor a disponibilizar seu trabalho livremente na internet [ ou em qualquer outro meio ] é a divulgação.

O termo gratuito é relativo, já que há algum custo envolvido na parte de produção, mesmo em se tratando de um arquivo digital, como criação, tempo de produção, manutenção de link e do próprio site ou blog.

O preço de uma obra sempre é simbólico, tendo em vista a impossibilidade de quantificar em um valor monetário o tempo de aprendizado, criação, dedicação, originalidade, etc, despendido na tarefa.

O retorno que o autor espera é moral, isto é, o reconhecimento de seus talentos [ quando eles existem ] críticas que possam contribuir para o seu aperfeiçoamento e credibilidade junto aos leitores, possíveis editores e colegas de ofício.

A forma de retribuição por parte dos leitores, caso tenham apreciado a obra, pode ser exercida no auxilio à divulgação, indicando a obra e o autor à amigos e à trabalhos relacionados.

Todos sabem a importância da campanha "boca a boca" no campo das artes e do entretenimento, principalmente na internet. No cyberespaço o mesmo ocorre, link a link. E as redes sociais fazem com que o alcance dessas recomendações se torne, praticamente, ilimitado.

Então, caso você tenha gostado de uma obra livremente disponibilizada, retribua contribuindo com divulgação.

Em muitos blogs e sites, existe a venda de e-books e de serviços relacionados. Muitas vezes regulados por sistemas DRM. Downloads pagos, editoração, confecção de capa, etc.

Nada contra. Mas não podemos esquecer que os sistemas de DRM são, por natureza, contrários ao principio básico da internet: "transportar bits de forma rápida e barata."

Acredito, portanto, que não será se utilizando de velhas fórmulas que encontraremos uma maneira justa de remunerar os autores por seus trabalhos disponibilizados livremente.

Nenhum comentário:

Postar um comentário